quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Amor Livre de Que?


O que vou falar aqui é algo que eu já vivenciei dos dois lados: Como quem sofre e como quem faz sofrer. Quero falar sobre como muitas vezes usamos de nossa liberdade de se envolver afetiva e sexualmente com outras pessoas de uma forma que magoa alguma(s) delas. Como muitas vezes nós simplesmente ignoramos as reações do outro, a insegurança do outro, os ciúmes do outro, a sensação do outro de que esta sendo preterido em comparação à um novo amor nosso e outras sensações mais sob desculpas de que a outra pessoa tem que ser mais desapegada e de que ela já nos conheceu assim ou era essa nosso trato, ne?. Nosso amor è Livre? Que lindo! Mas livre de que? Eu sempre falo que tem que ser livre de ciúmes, de posse, mas não livre de cuidar com o outro!
Muita gente confunde Poliamor e RLi com relações sem vínculo. E infelizmente eu não estou falando de pessoas monogâmicas que nos criticam. Eu tô falando de gente que se utiliza desses rótulos pra viver uma liberdade sem limites(e até aí ótimo pois não quero limitar a liberdade de ninguém) mas sem responsabilidade também! Gente que acha que se envolver afetiva e sexualmente com alguém é bom, mas se preocupar, cuidar, não.
E o pior é que isso passa para outras pessoas, que gostariam de viver relações não-monogâmicas inclusive, que essas relações não são lá muito diferentes de solteirice ou traição. Ou você nunca viu uma mulher negra e/ou trans dizer que essa história de amor livre é apenas uma desculpa pros caras continuarem tranzando com elas às escondidas sem assumir publicamente tais relações? E o pior é que elas estão certas e isso é triste! Pois cara desse tipinho é o que mais tem por aí, e o pior, eles acabam servindo de exemplo do que nós vivemos para aquelxs que não vivem.
E é aí que eu sem querer já mudei de assunto e entrei em outra questão: Amor Livre Pra Quem? Mas isso já é assunto pra uma outra postagem!
Por hora, finalizo essa resumindo a idéia que eu quis passar: Precisamos rever a forma como nos relacionamos com as pessoas. Não é porque somos livres pra namorar outras pessoas e essas pessoas também (ou deveriam ser, nem todas são, mas disso também trato nesse outro texto) que nós não vamos se importar com elas, cuidar delas, amá-las! Se quer viver relações sem vínculo viva! Mas não use como desculpas e rótulos nomes de movimentos que defendem coisas bem diferentes dessa liberdade irresponsável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário