quinta-feira, 15 de setembro de 2016

"O Pra Sempre, Sempre Acaba" - Sobre Fim de Relações Não-Monogâmicas


(Escrito em 01 de Setembro de 2015)
Essa semana eu estava conversando com duas amigas monogâmicas que eu não via a muito tempo, e é claro que minha não-monogamia virou assunto por uma boa parte do tempo em que estivemos juntos.
Entre as muitas coisas que elas perguntaram, duas eram sobre término: "Vocês terminam um namoro? Ou eles duram pra sempre, já que pra viver novas relações vocês não precisam terminar as antigas?" E a outra pergunta foi "Ah, mas vocês nem sofrem se terminam com vocês né, afinal ainda tem os outros"
Pois bem, no dia seguinte ao acordar, meu whatsapp tinha uma mensagem. Minha namorada, aquela de quem eu falei no último texto, estava terminando comigo.
Bom, eu já esperava por isso por motivos que não cabe aqui aqui mencionar, assim como não cabe também mencionar os motivos dela para o término. Apenas posso dizer que a distância física foi um fator de grande peso. E como esse blog é pessoal e falo sempre das minhas relações achei necessário sim falar que uma delas não existe mais.
Eu não sei falar de algo que acredito e defendo sem citar os meus exemplos, sem falar de mim, do que vivo.
Minha vida é um livro aberto, e não quero fechar esse livro.
Eu gosto de blogs e zines por isso. Eu gosto do que é pessoal, livros acadêmicos ou jurídicos sobre Poliamor não me prendem a atenção. Eu gosto de relatos pessoais ou de ficção também. Eu gosto de ler sobre o que a pessoa vive, pensa, sente... Seja uma pessoa mesmo ou uma personagem.
E bom, depois desse paragrafo totalmente desfocado vamos voltar ao assunto central do texto, né? Mania besta essa minha de falar de dez coisas ao mesmo tempo e não terminar nenhuma delas.
Então voltando, o foco desse texto é Fim De Relacionamento e como pessoas não-monogâmicas lidam com isso.
Claro que não posso falar em nome dos outros, mas falo de mim, da minha experiência. E bom, eu aprendi na pratica do Amor Livre a não criar tantas expectativas com relação as pessoas que gosto. E com Osho eu tenho aprendido um amor que vai além da reciprocidade.
Isso faz com que hoje eu consiga ter uma paixão platônica sem sofrer com ela. Eu já consigo gostar de alguém sem sentir necessidade de ela gostar de mim de volta. Vivi isso na prática há pouco tempo.
E mesmo quando ha reciprocidade, e você começa a viver uma relação com aquela pessoa, você já não idealiza mais o "pra sempre". Você sabe que ela não vai "trocar" você por outra pessoa, que ela pode ter sentimentos por ambas. Mas quem disse que relações só acabam por isso? Se a pessoa não estiver mais feliz com você, ou passar a sentir um sentimento diferente, mais pra "amizade" porque não colocar um fim no laço afetivo-sexual que vcs tem?
Então a resposta à primeira pergunta é sim. Relacionamentos Não-Monogâmicos também acabam uma hora, embora pela liberdade possam ter uma duração maior sim.
E sobre o sofrimento? Então, é aí que entra toda a parada de expectativas e idealizações que eu citei. Você acaba vivendo uma relação muito mais madura, que você sabe que pode sim acabar e que isso não é o fim. Eu já vivi casos de eu querer me matar por causa de um fim de namoro. Isso me levou a perceber que a forma que eu me entregava às pessoas e aquilo que eu esperava delas era totalmente absurdo e irreal. Dai pra eu começar a estudar e trabalhar tais coisas foi um pulo ne?
(eu sempre pesquiso livros e sites de filosofia e psicologia quando quero entender melhor determinados comportamentos meus no amor).
E bom, hoje estou mega reflexivo, pois esse fim não me deixou pra baixo nem nada assim, mas me fez refletir sobre outras questões que quem sabe em breve não virem postagem aqui no blog também.
Bom, apesar da Vênus em Peixes que faz de mim um bobão apaixonado, romântico e sensível(totalmente contraditório ao que se esperaria de um aquariano), eu vejo que amadureci muito na forma como lido com rejeições e términos. Ainda tenho muito o que aprender é claro, mas mente e coração aberto pras lições da vida não me faltam, então não vai ser tão difícil.
Que Oxum e Yansã, que cuidam juntas de meu coraçãozinho, não me deixem também endurecê-lo com tanta racionalidade. Mas tampouco amolecê-lo para sofrer com qualquer emoção.
Em busca do equilíbrio estou, e que quase nada me tire dele.
Bjs a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário