terça-feira, 13 de setembro de 2016

Quem é Dian Y Glass, O Deus Azul?



Essa semana um amigo me perguntou no Facebook quem é Dian Y Glass. Ao começar a digitar a resposta pra ele vi que ficou grandinha e que como muitas outras pessoas podem ter essa mesma dúvida, decidi postá-la aqui.
Dian Y Glas tem sua origem numa Tradição de Bruxaria Tradicional chamada Feri (Se você conhece outras Tradições de Bruxaria não confunda com tradições "Faery", que são tradições das fadas). Nessa Tradição ele é o deus jovem, esta ligado a Primavera, e foi a primeira criação da Deusa Estrela através do próprio reflexo dela. Ele é sempre representado de forma andrógina, muitas fezes contendo seios e pênis ao mesmo tempo. Ele também é chamado de Melek Taus, Deus Azul (Blue God), e recebe o título de "Risonho Deus do Amor". Nessa Tradição ele também representa o nosso Eu Divino, nosso Deus Interior.
Então por representar o Amor em sua essência, por ter características andróginas e por representar também aquilo que somos de verdade, a nossa essência sagrada, ele passou a ser reverenciado também fora da Feri por um movimento chamado "Paganismo Queer" (Queer Pagan/ Queer Witchcraft) que tem por objetivo sacralizar a gêneros e sexualidades queer/lgbtq e reverenciar deuses gays, trans, interssexuais. E sim, além dessa figura criada pela Feri, existem divindades antigas dos mais diversos panteões que são transgêneros ou tem mitos bi/homossexuais. Entre esses posso citar por exemplo no panteão Yorubá (que é um dos meus principais panteão de culto): Oxumaré e Logun-Edé, que são divindades Metá-Metá, ou seja, metade homem metade mulher; e um mito de amor entre Oyá e Oxum. Mas há também na mitologia grega por exemplo o caso de Apolo e Jacinto.
Além do Paganismo Queer, Dian Y Glas também chegou ao Paganismo em geral através da Starhawk, que foi iniciada na Feri antes de criar a Reclaiming e em seu livro Spiral Dance (traduzido no Brasil como A Dança Cósmica das Feiticeiras), que ficou famosíssimo e é recomendado pela maioria dos bruxos e wiccanianos que conheço, conta a criaçao do mundo baseada nos seus ensinamentos Feri, incluindo nesse mito o Deus Azul.
Como eu já disse em outra postagem aqui faz alguns anos que eu conheci o Deus Azul e foi exatamente através de um artigo sobre Paganismo Queer (Se não me engano foi em um artigo do Claudiney Prieto). E de lá pra cá fui pesquisando cada vez mais sobre Ele e ele se tornou na época uma "terceira pessoa" fixa no meu altar, onde tinha uma imagem do Deus de Chifres representando o Sagrado Masculino, uma imagem da Deusa Tríplice representando o Sagrado Feminino e uma imagem do Deus Azul ao centro representando o Sagrado Queer.
Hoje eu estou em uma nova fase e minha religiosidade não esta mais focada nessa divisão duoteísta de "O Deus e a Deusa", mas o Deus Azul não só permanece na minha vida como minha maior influência atualmente, o que mais tenho estudado sobre e adaptado as minhas praticas é a Tradiçao Feri, de onde Ele veio.
Bom, é isso... Isso é apenas um pouco sobre esse deus que foi pra mim uma paixão a primeira vista... Paixão que dura até hoje... ❤

Nenhum comentário:

Postar um comentário